Rádio Manifesto Norte - O espaço da musica independente.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

VELUDO BRANCO ROCK N' ROLL!



Já estava na hora de citar aqui uma das bandas de rock n’ roll mais promissoras da cena norte, uma banda de Roraima que leva o rock ao extremo, um verdadeiro Power trio potente, rasgado, harmônico e muito competente que agita a cena local do seu estado e por que não dizer de todo o norte, eu estou falando da banda VELUDO BRANCO.
A banda surgiu em meados de 2006 com a proposta de fazer um som autoral nortista e de peso com a intenção de levantar a cena rock do estado de Roraima que hoje em dia é uma das cenas mais fortes da região norte sem dúvidas. A VELUDO BRANCO nesse período de existência já traz uma bagagem de respeito nas costas, pois já tocou em festivais como Beradeiros (RO), Casarão (RO), Quebramar (AP), Magafônica (PA), Tomarrock (RO), RR Sesc Fest Rock (RR) e Grito Rock em Boa vista e Manaus. Esse breve currículo rock star nortista só mostra a competência da banda e o seu reconhecimento na cena do extremo norte que para muitos é o fim do mundo, mas que para nós é o inicio de tudo! Pois como costumo dizer sempre, o que os artistas do norte fazem ninguém consegue copiar mesmo que muitas vezes e por falta de interesse, copiamos mais do que ditamos! Isso agora está mudando, e a VELUDO BRANCO é a prova real de tudo isso.
A VELUDO BRANCO já tocou com artistas como Dado Villa-Lobos, Marcelo Nova, Matanza, Raimundos, Ratos de Porão, Pato Fu entre outros artistas e bandas do cenário nacional, e não tocaram apenas como pré-show ou para abrir os shows desses artistas, a VELUDO BRANCO tocou para o seu fiel público, agitando muitas vezes mais do que os próprios artistas convidados, isso por que esse Power trio já tem um legado construído com muita persistência e dificuldade, pois todos nós amantes de rock, sabemos como ainda é difícil montar e manter uma banda de rock na nossa região, por isso eu admiro e sou fã de todas essas bandas e movimentos sociais que engrandecem nossa cultura.
A banda teve grande repercussão com seu primeiro EP intitulado VELUDO BRANCO ROCK N’ ROLL, que ganhou destaque na mídia com matérias e entrevistas na RBS Globo do RS, e MTV Belém, agora a banda lança seu segundo EP pelo selo independente Roraima Rock discos intitulado SEM MENTIRAS, título da faixa de trabalho do disco que já conta com um vídeo clipe bem estilo VELUDO BRANCO gravado, filmado, mixado e editado 100% em Boa Vista.
Então é isso aí para quem curte o bom e velho rock n’ roll sem frescura, com letras de auto astral e poesias mescladas com muito sarcasmo e inteligência é só pegar seu OPALA BRANCO pedir pra sua gata botar aquele CORPETE VERMELHO sem FALSO PODER, mas com aquele SUAVE VENENO querendo AMOR COM TRÊS quebrando a VERDADE RUINA para você se tornar O GIGÔLO ouvindo VELUDO BRANCO no volume máximo como seu ÚLTIMO ATO e dizer pra todo mundo:
- EU SOU ALCOOLATRA!
VELUDO BRANCO ROCK N’ ROLL fazendo o rock acontecer em Roraima!









sexta-feira, 17 de agosto de 2012

MANIFESTO NORTE MANIFESTANDO IDEIAS



A cena manauara de rock teve sua maior grandeza nos anos 90, com bandas surgindo aos montes totalmente undergrounds, gravando fitas e CDs passados no famoso boca a boca, e isso foi muito importante para a cena rock local expandir nesse período, que recentemente virou um excelente documentário chamado O ROCK QUE O BRASIL NÃO VIU! Registrado pelo grande vocalista Bosco Leão da banda Chá de Flores, esse documentário é ótimo e inclusive já passou no canal Brasil.
Após essa década de bandas como Chá de Flores, Platinados, Zona Tribal, Espantalho, Vó Lata, Charlie Perfume, Deskarados, João Pestana, Crepúsculo, Olhos Imaculados, Zeronovedois e tantas outras grandes bandas, a nossa cena rock n’ roll entrou em um verdadeiro rio de ostracismo, tendo em vista que muitos integrantes dessas bandas acabaram perdendo o tesão de tocar sem receber o devido valor da mídia local, outros largaram o rock por falta de tempo para se dedicarem a  família , e alguns largaram a vida do rock por motivos religiosos e acabaram aceitando  Jesus, que deve ter ficado muito triste e indignado sem dúvidas.
Mas todo o legado dessas bandas não poderia morrer jamais, por isso após anos de uma cena praticamente movida no underground, tocando em bares de zona vermelha e em casas antigas do centro da cidade, tendo que organizar seus próprios eventos muitas vezes boicotados pela vizinhança que sempre está denunciando as guitarras, mas nunca o cavaco ou o pandeiro, enfim, após todo o preconceito dos donos de bares e casas de shows que só aceitavam pagar bandas de couver e quase nunca bandas autorais, contra tudo isso o movimento rock de Manaus renasce mais uma vez, não das cinzas como uma fênix, mas renasce das sementes plantadas nos anos 90, o nosso rock caboclo volta como um gavião real predador cruel mergulho fatal, com bandas novas cheias de atitude, inclusive ainda resgatando outras grandes bandas que já estavam extintas da cena, fortalecendo ainda mais o movimento rock local que se firma literalmente nos dias de hoje, pois o dia mundial do rock comemorado no dia 13 de julho mostra como essa cena local é forte!
 Os Tucumanus vão representar o som do norte nos EUA, a banda Essence continua tocando rock na cidade, nos grandes festivais dos municípios vizinhos e até mesmo em outros estados, bandas de puro punk rock hardcore estão lançando seus EPs com grandes festas como A Antiga Roll que lançou seu EP intitulado DE JAQUETA NO INFERNO com grandes canções autorais apresentando o rock de Maués, Agora os The Mones também estarão lançando seu EP chamado CERVEJA E ROCK N"ROLL que é ótimo por sinal, Os Playmobils publicaram recentemente um livro RECORTES ÁCIDOS – O ROCK DOS PLAYMOBILS que é algo inédito na cidade, temos agora bandas como a Ilharga, Aves de Rapina, Dpeids, Tudo Pelos Ares, Queda Livre, Alados, Pensamentos Progressivos e bandas de outros estilos que fazem um som inovador como a Cabocrioulo, Alaídenegão e os próprios Tucumanus que representam nosso som em outros estados, assim como a Nekrost fez representando nosso estado no maior festival de heavy metal do mundo, o Walken Metal realizado na Alemanha.
Agora para engrandecer ainda mais tudo isso que está acontecendo, temos a nossa web rádio MANIFESTO NORTE que surgiu para divulgar novas bandas e pregar uma postura totalmente independente, representada por caras como Marcelo Augusto Correia, William D’angelo, Sandro Nine, Paulo Shirokuma e Thiago Porto, A MANIFESTO NORTE apresenta novas bandas, divulga os shows que estão rolando pela cidade, os grandes eventos do cenário local e nacional, e para engrandecer ainda mais sua programação, ainda tem apresentação de bandas ao vivo no estúdio, têm programas de notícias, de games, um programa sobre a história do rock e o que eu acho superinteressante e ousado um programa de esportes local! Isso chega a ser revolucionário, quem poderia imaginar isso há uns dez anos atrás?
Graças a MANIFESTO NORTE e sua grande divulgação na internet agora as bandas locais e os donos de casas noturnas e bares podem realizar seus eventos com maior expectativa de público, pois sabem que estão sendo divulgados. Uma rádio que toca uma sequencia de clássicos do rock ao lado de bandas regionais merece todo o meu respeito e com certeza o respeito daqueles que amam o rock regional tanto quanto o mundial, em que outro lugar você poderia ouvir Led Zeppelin seguido de Veludo Branco, ou mesmo Janis Joplin seguida de Elisa Maia? Como diria meu amigo José Valmir, “eu só escuto metal e bandas de Manaus!”.
Os locutores da rádio são uns caras muito inteligentes e prestativos, que comentam suas matérias sem papas na língua, mostrando realmente um interesse de verdade pela arte nortista, não se importando se a demo da banda está mal gravada, desafinada ou outra coisa, eles botam pra tocar na programação da rádio sem medo nenhum e com muito orgulho por estarem apresentando mais uma banda de rock caboclo.
Que a Rádio MANIFESTO NORTE continue com esse ideal, e que futuramente nem o dinheiro e nem a censura mude a ideologia desses comunicadores que estão prestando um serviço de extrema importância cultural para nossa região, hoje temos o pessoal dos quadrinhos voltando a ativa, o pessoal cosplay, os nerds dos jogos de tabuleiro e RPG organizando eventos, cantores de MPA tocando suas próprias músicas dando uma folga naquela mesmice de “leva Zé Ramalho!” enfim, nossa cultura está sendo apreciada finalmente pelo público local que quase sempre virava o nariz para suas raízes.
Quero finalizar esse texto agradecendo o pessoal da MANISFESTO NORTE por tudo isso, e principalmente por estarem fazendo a verdadeira revolução cultural na cidade, coisa que o nosso governo deixa de lado quase sempre para engrandecer a cultura de outros estados e países, já que um festival de jazz e ópera não me parece muito coisa de amazonense comedor de jaraqui, aí uns vão pensar “mas tem caboclo que gosta!” é verdade, principalmente os elitizados que organizam esses eventos grandiosos. Futuramente tenho certeza que nossos artistas irão alcançar um nível maior de reconhecimento nacional graças a seus talentos, sua força, perseverança e principalmente por terem tido o apoio da MANISFESTO NORTE que manifestou suas ideias.



      

quinta-feira, 31 de maio de 2012

TUDO COMO VIER COM A OLHOS IMACULADOS




Falar do rock amazonense sem citar a OLHOS IMACULADOS é a maior idiotice que se pode cometer com cenário local, já que a banda existe desde o primeiro semestre de 1997, e vinga até hoje fazendo shows e participando de festivais como o FUM/festival universitário de música nos anos de 2000,2001 e 2003, além de ter sido uma das principais atrações do maior festival de rock que já existiu na cidade, ou seja, o FRONTEIRA NORTE FESTIVAL DE ROCK, que até os dias de hoje é lembrado com saudosismo.
A banda tem uma musicalidade bastante peculiar, pois quem é que pode descrever o que se passa na mente do vocalista Edilson Seta e do seu fiel escudeiro, amigo e baterista Ciro Jamil, que são os remanescentes de várias formações, e principais fundadores da banda, que em sua formação atual hoje conta com o guitarrista Euclydes Brasil ex-guitarrista da banda Dexter Chapado. Você não pode afirmar que a banda é punk, blues, gótica ou outro gênero musical, mas é fácil entender que a Olhos Imaculados é o mais puro ROCK N’ ROLL que existe!
Juntando performances teatrais e declamação de poesias, o som da Olhos Imaculados encanta e transmite energia, entra na cabeça e não sai mais trazendo assim um clima de psicodelismo a nossa cena tão escassa de reações, já que não temos tido muitas AÇÕES ultimamente, por isso bandas como a Olhos Imaculados foram e são muito importantes para o cenário local, influenciando novas bandas e resgatando o bom e velho estilo de vida rock.
A primeira vez que fui a um show da Olhos Imaculados, eu não sabia se ficava prestando atenção nas letras e na performance do Seta ou se entrava na roda de “polgue” que se abria ao meu redor, pois é difícil ficar parado ouvindo “que a cerveja amargue a garganta, e meus olhos fiquem vermelhos, que os cretinos se aborreçam e essa noite nunca se acabe...” essa sem dúvida é uma das melhores músicas do cenário local e mesmo nacional, hoje repleto de músicas caretas, infantis, pornográficas e sem sentido cantadas e ouvidas por aqueles que ainda não provaram o gosto do sexo, do contado físico, das loucuras e de quebrar os moldes da sociedade conservadora babaca que insiste em implantar e ditar leis e tendências, por isso ouço até hoje a Olhos Imaculados.
Outra grande virtude da banda são as atividades de conscientização social e cultural como a distribuição de preservativos DST/AIDS/SEMSA. E mesmo pelo vocalista Seta e o baterista Ciro Jamil que não negam um convite para um show improvisado, um festival, uma apresentação simples, uma festa rock ou mesmo uma boa Jam, eles sempre estão dispostos a tocar e levar a sua arte aos diversos pontos da cidade sem aquela frescura de reparar som, público, horário e outras exigências que muitas bandinhas que não são nem metade do que é a Olhos Imaculados, e se acham mais importantes, bandas de grife, de filhinhos de papai e de falsos malucos que só querem ter uma banda para conquistarem mulheres, mas o rock não é isso, é muito mais além do que se vê, basta enxergar e ouvir o que faz a OLHOS IMACULADOS em todos esses anos de carreira, e muita carreira mesmo em todos os sentidos da palavra.
A banda lançou no dia 23 de junho de 2001 o cd demo chamado A CIDADE EM LETARGIA que talvez você ainda encontre com o vocalista Seta, caso não consiga e queira fazer uma viajem musical é só assistir a um show da banda e presenciar O EXTRAORDINÁRIO que virou música de outra grande banda local chamada ESPANTALHO “...  o Seta embriagado se jogando de um palco espantalho vivo te chamando pra correr...” narrando o famoso voo da morte do vocalista Seta que ao cair do palco do festival de música da UFAM, gritou o nome de TUPÃ caindo sem se machucar e entrando mata adentro correndo e cantando sem sofrer nenhum arranhão... Lenda? CELO SUPREMO RELES SIMPATIA!
Isso é apenas mais uma das facetas da banda OLHOS IMACULADOS, pois tudo pode vir como vier!


quinta-feira, 26 de abril de 2012

VAMOS PIRAR COM A PLATINADOS!



Para entender por inteiro a cena rock local basta ouvir as músicas da banda PLATINADOS, e para entender ainda mais o espírito rock da cidade, basta assistir a um show da banda.
A platinados é uma das grandes bandas de rock da região norte, que mesmo sem o apoio da mídia local, foi capaz de ultrapassar fronteiras através do boca a boca e das fitas k7 que os integrantes vendiam aos seus fiéis seguidores. Assistir a um show da Platinados era uma das mais vibrantes empolgações dos jovens roqueiros manauaras no final dos anos 90, com shows antológicos pelos antigos bares da cidade e no histórico dia mundial do rock no anfiteatro da ponta negra, naqueles velhos tempos...
A formação original da banda se dá em meados de 1997 com Clóvis Rodrigues nos vocais, Carcassa na guitarra, Said na bateria e Beto doido  no baixo. Formação clássica que ganhou ainda mais notoriedade quando o baixista Klinger Asma assumiu o controle do baixo e Pedro Garnizé assumiu a batera, juntando-se a Clóvis e Carcassa formando assim a formação que causou a verdadeira revolução do cenário rock local. A banda tem um som bem rock n’ roll levado para o Blues com influências de grandes bandas como The Doors, Led Zeppelin, Black Sabbath, Secos e Molhados, Danzig, Mutantes e outras substâncias...
No distrito industrial eu tinha vários amigos que conheciam a banda através de shows, fitas e cd “demo”. Quando uma dessas fitas chegou até as minhas mãos, eu simplesmente colei o platinado literalmente, achei impossível que aquela banda fosse de Manaus, por tudo que ouvi naquela fita, “dizem que eu sou, sou  pêlo, pele e osso, pelo brilho e pelo corpo pela sede de beber...” são verdadeiras viagens sonoras e por que não dizer alucinógenas ouvir a Platinados em qualquer momento ou estado de espírito.
Hoje possuo um cd da banda, o famoso ACUDECAVALO e duas músicas gravadas na coletânea fronteira norte, que conta com outras grandes bandas locais e não sei sinceramente por que esse projeto foi abortado, podiam pelo menos lançar uma nova edição, pois ali estão as melhores obras do rock local, sem sombra de dúvidas. Eu tinha uma amiga que não curtia muito o rock local, mas ela se apaixonou pelos vocais do Clóvis, que além de cantar muito, interpretava sua poesia marginal como um verdadeiro poeta do século XV, segundo ela.
 Além das apresentações, pois o grande diferencial da Platinados é justamente a performance que a banda sempre teve no palco, outro grande trunfo da banda são as letras. Quem nunca pirou com a gatinha do lado ouvindo POR TUDO QUE HÁ DE MAIS SAFADO degustando um vinho barato na praça do congresso em rodas de viola, ou pirou o cabeção indo pra Itacoatiara de mochila nas costas achando que estava no paraíso, que estava na Babilônia. Ouvir ALÉM DA IMAGINAÇÃO me lembrou muito a primeira vez em que ouvi Strange Days do The Doors, talvez por que eu estava literalmente além da imaginação.
Fui a shows no Macintoch que para mim foi a faculdade do rock amazonense, pois era o único bar na cidade que possuía um jukebox com CDs de bandas locais, e ali tinha Espantalho, Chá de Flores, Zona Tribal, a coletânea fronteira norte volume 1 & 2, e claro, Platinados que tinha um dos hinos do bar...TRAJETÓRIA.
Sinceramente essa música TRAJETÓRIA além de ter um dos melhores clipes da região norte  e por que não do Brasil, é a  música que melhor resume a vida rock n’ roll da cidade! Eu não tenho dúvidas quanto a isso, cheguei a ver várias entrevistas da banda e no outro dia o pessoal do movimento ficava no maior alvoroço “ei tu viu a Platinados na TV?” isso era muito legal de ouvir e ver que o rock caboclo tinha uma banda como referência.
Se alguém acha que eu estou exagerando é só assistir o clipe da música no youtube o endereço é esse http://www.youtube.com/watch?v=kRbcMx5cySU assista e  compare a piração dos anos 90 com a idiotice do ano 2000, cheio de bandinhas coloridas  certinhas que não se drogam por que são a própria droga do seu escroto universo.
“Hoje é domingo tem galeroso aqui no agito!” esse trecho da música trajetória é hilário, não consigo ter em mente outra música para relatar a mistura “dos camisas pretas” cabeludos debaixo do sol escaldante dividindo sua cachaça com os galerosos de plantão que estão ali apenas pelo álcool e pelo assalto. A Platinados mesmo com anos de estrada e tantos outros parada, nunca vai deixar de ser histórica para o cenário local, por isso quando você ouvir “ ei vem vamos pirar...em Itacoatiara!” pense também ei! vem vamos pirar com a Platinados!

quarta-feira, 11 de abril de 2012

O HEAVY METAL DOS ESPÍRITOS DA FLORESTA


Em meio a todos os ritmos locais que tanto predominam nas programações  de rádios e casas de shows da cidade, junto  a  um povo que tradicionalmente não sabe reconhecer seus artistas, numa terra onde é mais fácil se adaptar a cultura de outros estados do que mesmo aceitar sua origem, em uma panela governamental que excluí os verdadeiros talentos regionais da arte, da literatura, e da música, enfim, no meio de tanto modismo comercial existente na cidade, ainda temos o bom e velho HEAVY METAL!
Temos várias bandas de heavy metal na cidade, que são um pouco abafadas pela falta de opções de bares e festivais escassos na cidade, já que os bares mais ditos “de rock” não abrem espaço para que as bandas possam mostrar seus trabalhos autorais, por isso é fácil você ouvir as chamadas de aniversários de bandas que completam dez, quinze e até vinte anos de carreira sem terem uma única música própria conhecida, ou seja, vivendo décadas tocando couver pelos bares da cidade.
Muitas vezes essa falta de espaço nem se dá pela política desses bares, e sim pelo próprio público que reconhecidamente não apoia valores locais, mas isso está mudando graças aos deuses do metal, e essa mudança começou quando uma banda local foi premiada no famoso festival WALKEN METAL, representando o norte, quebrando assim todos os paradoxos culturais vistos pelos olhos dos outros estados, e essa banda chama-se NEKROST!
Mesmo sem o apoio do governo ou prefeitura, a banda foi tocar e representar o estado  na Alemanha, além disso, a banda foi uma das mais aplaudidas chamando a atenção de outras grandes lendas do metal. A força e o talento da Nekrost só mostra o quanto o nosso povo é talentoso, basta apenas o incentivo certo, ou seja, o público apoiar nossos talentos, graças a Nekrost essa cena tem mudado bastante, não só com as bandas de metal, mas com o rock em geral, hoje as bandas regionais já são mais reconhecidas pela mídia, inclusive até abrindo festivais importantes da região, claro que ainda falta muito, pois quem não esquece a famosa virada cultural onde tiraram a banda Essence do palco para a entrada da porcaria do Tico santa ”não sei o quê” tocar porcamente couver de bandas nacionais.
Nós não precisamos trazer bandas de fora para termos um grande festival, temos aqui as melhores bandas de rock do Brasil, em todos os gêneros, pois a Nekrost é a prova maior disso, nosso rock é caboclo sim, mas também é pesado por toda a história da nossa cultura. Até o sistema já começou a perceber isso, tanto que tivemos o primeiro festival Amazonas de Rock, que roqueiro de Manaus dos anos 90 poderia imaginar isso um dia?
O melhor nesse festival foi ver o público pirando com as músicas próprias das bandas, o show da Necrost então nem se fala, foi insano em todos os sentidos da palavra, tanto pelo desempenho da banda como por suas músicas próprias, ao contrário do que disse antes, a Nekrost não depende de couver, pois suas músicas são verdadeiras e originais.
Espero que o público local continue apreciando nossos valores, pois não precisamos importar ídolos, nós temos os nossos caboclos que até mesmo no Heavy Metal fazem a História acontecer, por isso a Nekroste faz o heavy metal dos espíritos da floresta!




sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

NÍCOLAS JR DA INGLATERRA OU BOB DYLAN DA SELVA?

Infelizmente nosso povo ainda não está  preparado para compartilhar de seus valores locais, nossa população ainda investe e idolatra a cultura e os costumes de outros países, e acabam deixando passar verdadeiros artistas nascidos e criados aqui nesta terra.
Tanto no rock local do qual sou fã incondicional,  como nas antigas músicas de boi da sua época áurea, cheio de letras e toadas completamente regionais e lendárias, revirando os espíritos da floresta que outrora dominavam essa selva indomável, surgiram grandes poetas e artistas locais.
E foi a partir dessa mistura que conheci e me apaixonei pela MPA (Música Popular Amazonense) e um dos primeiros cantores desse segmento que me chamou a atenção foi o Nícolas Jr. Eu simplesmente viajei nas músicas desse artista nortista, fiquei impressionado com o seu talento, o som da sua música, suas letras e toda a poética de seus versos sarcásticos e ao mesmo tempo agressivos que te causam um orgulho tremendo de ser do norte, um amazonense comedor de Jaraqui.
Fiz na minha casa certa vez algo diferente, ao invés da já tradicional churrascada de domingo, resolvi fazer uma peixada com alguns amigos do rock, que também piraram com o cd divina comédia cabocla. Nós ríamos ouvindo Gesislaine olhando as vizinhas em cima da laje tomando sol, um amigo ficou impressionado com a harmonia de Dias de hoje, curtimos o poema declamado pelo grande Joaquim Marinho, e ficamos todos em silêncio para ouvir as crônicas Sou brasileiro e chato; e A maldição da seringueira do genial Aldisio Filgueiras.
A partir desse dia meus amigos todos queriam cópias do cd, e eu neguei com o argumento de que precisávamos comprar original para poder continuar ajudando o artista. Nessa época o cd eu acho que só era vendido na banca da praça no largo de São Sebastião, e meus amigos foram atrás e alguns conseguiram. Depois de um tempo eu encontrei outro cd dele chamado Simetria, menos regional mais não menos genial, e como sempre cheio de poesias que fizeram minha esposa viajar em versos e prosas como nas músicas memórias de nós; segredos e principalmente no refrão:
 “vez em quando sou teu pecado bruto e num susto vejo o amor das mãos me escapar, nada como um dia após o outro pra eu te conquistar.” Da música pecado bruto. E nesse mesmo cd ainda tem uma música chamada beija flor, que é muito gostosa de ouvir, assim meio reggae, praia e uma boa cerveja gelada.
Agora a alguns meses atrás eu consegui a divina comédia cabocla 2 que é surpreende também, músicas como O Amazonês, feira da panaí e Rubenilson mostram  quão grande é o conhecimento do artista sobre a nossa terra. Viajei até os anos 90 ouvindo  lei de Murphy na época áurea dos antigos botecos do centro da cidade, a baladinha que saudade de você  supera qualquer balada dos cantores nacionais de hoje. Novamente com duas crônicas do Aldisio Filgueiras, declamação do Joaquim Marinho o cd ainda vem com uma surpresa agradável na faixa de marchinha: a província se defende como pode. e quando não pode se defender...”.
Eu não consigo acreditar como um artista desse porte não aparece na globo, no Faustão, Gugu e outros programas de auditório? Eu acho que é por que assim como Dylan, o Nicolas Jr. Ama sua arte acima de tudo,  claro que o reconhecimento é bem vindo, viver de sua arte é importante, mas caras como eles estão acima da mídia e da média.
Certa vez cheguei a comentar com alguns amigos amantes da cultura amazonense que  o Nícolas Jr. Era o Bob Dylan da selva, e outro amigo retrucou; “eu acho que é o Bob Dylan que é o Nicolas Jr. da Inglaterra!”.
Vejo nossa mídia transformando qualquer porcaria em estrela, e esquecem que as estrelas mais brilhantes estão bem diante dos nossos olhos. Aonde eu chego com um cd do Nicolas Jr. é certeza de que vai rolar a noite toda, por que dos amantes de Raul Seixas, Zé Ramalho, Zé Geraldo, Zeca baleiro e outros cantores do gênero, aos mais fanáticos roqueiros da cidade a opinião é a mesma, O que diferencia o Nicolas Jr. de todos os outros grandes astros da música popular brasileira é simplesmente nada! Mas ele sim, se diferencia de todos os outros... Por que ele é do norte!